História da Língua Portuguesa

O Galego Português


1. Origens da Língua Portuguesa - D
a Galiza até aos nossos dias: a língua portuguesa na Galiza.


 
O Português é uma língua nascida no Noroeste da Península Ibérica, que cresceu para sul. Inicialmente um conjunto de dialetos provinciais (galego-portugueses), passou a língua da nação e depois a veículo de um império; hoje, é uma língua transnacional e transcontinental. A autonomização do galego-portuguêsa partir do século VII na antiga província romana Gallaecia et Asturica (Galiza, Norte de Portugal, Ocidente e Astúrias) é denunciada por dois fenómenos de mudança fonética que afetam profundamente o seu léxico: palatalização dos grupos iniciais pl-, kl-, fl-, para a africada palatal surda ts-: plicare > tsegar >, chegar; clamare > tsamar > chamar; flagrare > tseirar > cheirar; enfraquecimento e síncope das soantes intervocálicas latinas – n - e - l -: bene > bee > bem; mala > maa > má.

 
Distinguem-se na história do português dois grandes ciclos: o da elaboração da língua, desenvolvido entre os séculos IX e XV na esteira da reconquista do território dos Árabes; este foi repovoado pelos povos do Norte, que transplantaram a sua língua para o Sul, onde ela se transformou pelo contacto com a língua local e pela mistura, nas novas terras, de dialetos que no Norte se achavam separados. Os dialetos da terra de reconquista são, por isso, mais homogéneos que os seus parentes mais velhos do Norte. Por outro lado, a transferência do poder para o Centro do Reino, com capital em Lisboa, fez que a partir do século XV os novos dialetos falados nessa região ganhassem ascendente sobre os do Norte e fossem a base de uma norma culta de características meridionais, que seria vista como a língua nacional.


As origens da língua escrita vinham do século XII: uma breve Notícia de Fiadores, de 1175, é o documento mais antigo, hoje conhecido, que procura representar a língua que se falava; curiosamente, foi produzido no mesmo círculo em que, por 1196, seria escrita a mais antiga cantiga trovadoresca, Ora Faz Ost'o Senhor de Navarra, de João Soares de Paiva. Depois, vários documentos, entre os quais avultam o Testamento de 1214 do rei Afonso II e a contemporânea Notícia de Torto, atestam do crescente uso do português escrito, até que a partir de 1255 começa a produção regular de documentos escritos em português, seguindo o exemplo da Chancelaria de Afonso III. Ao mesmo tempo, crescia a produção de textos literários (lírica trovadoresca, tradução de novelas francesas de cavalaria, literatura de espiritualidade), graças aos quais é possível observar as mudanças que a língua sofreu e que, por graduais transições, a levaram a transformar-se na língua clássica. As principais mudanças são: no plano fonético, eliminação de hiatos, convergência para o ditongo –ão das terminações nasais em –õ, e –ão hiático, elevação para –u do –o final átono dos nomes, queda do  – d –  intervocálico na segunda pessoa plural dos verbos (amades > amaes > amais), início da redução para duas do sistema de quatro sibilantes; no plano morfológico, regularização de paradigmas verbais (substituição de formas irregulares por formas analógicas) e nominais (mudanças de género); no plano lexical, entrada de cultismos por relatinização.


O segundo grande ciclo da história do português consiste na expansão da língua: o período de finais do século XIV a inícios do século XVI é aquele em que a língua mais radicalmente se transfigura. Enquanto se re-estruturava e consolidava dentro de portas, a língua portuguesa começa a expandir-se para fora da Europa, pelo que, a partir de aqui, é preciso distinguir entre português-europeu e português extra-europeu.

Português-europeu: o léxico enriquece-se por vários motivos: contacto com línguas exóticas, importação de cultismos latinos e gregos, adoção do castelhano como segunda língua literária. Afirma-se um padrão nacional, descrito pelos gramáticos. Os dialetos distribuem-se segundo um mapa muito semelhante ao moderno. Quanto a estruturas linguísticas, registam-se, a partir do século XVIII, a fixação da ênclise enquanto posição regular dos pronomes pessoais átonos, a elevação das vogais fechadas e e ou em posição pré-tónica, que passam a ser pronunciadas como e mudo e como u e que, hoje, chegam mesmo a desaparecer, em forte contraste com a fonética brasileira; nos dialetos europeus do Centro e Sul de Portugal, simplificação da africada ts em s e palatalização do –s final de palavra e sílaba; na região de Lisboa, centralização do ditongo ei em âi. O som do português europeu não sofreu, depois disto, alterações significativas.

Português extra-europeu: fora da Europa, o português teve dois tipos específicos de atuação, logo a partir do século XVI: transplantou dialetos de Portugal para territórios como o Brasil, a África e a Ásia e aí teve desenvolvimentos próprios, chegando aos nossos dias com plena vitalidade nos dois primeiros espaços e em estado de relíquia no último (um dos principais problemas da linguística do português consiste em determinar se as diferenças que se detetam entre as variedades portuguesa e brasileira devem ser encaradas a nível de normaou a nível desistema); ao longo do litoral africano e asiático, o português associou-se a línguas locais para produzir pidgins e crioulos, possivelmente segundo uma matriz única (o proto-crioulo português), que explicaria semelhanças entre línguas que nunca estiveram em contacto. Este processo deu, como resultados modernos, a situação linguística de Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e certas áreas do Índico e da Oceania, onde predominam crioulos de base portuguesa. Este processo de crioulização também ocorreu no Brasil, mas uma maciça imigração europeia, constante desde o século XVI até ao XX, levou a que o português prevalecesse sobre os crioulos. O mesmo aconteceu em Angola e em Moçambique, com a imigração dos séculos XIX e XX.

Fonte : Entrada "Língua Portuguesa"  -   por : I.Ca.  Dicionário Temático Da Lusofonia Texto Editores (www.textoeeditores.com)


2. As Origens do Galego Português



Depois das invasões germânicas (que no séc. V chegaram à Península Ibérica), a Europa fragmentou-se politicamente, sendo o ano de 476 o marco que assinala a queda do Império Romano do Ocidente. A diferenciação do latim vulgar, que já era uma realidade linguística na época da unidade política, acentua-se cada vez mais. Pensa-se que por volta do ano 600 o latim vulgar não fosse falado em nenhuma região do Império. Por essa época falar-se-iam novas línguas na Gália, na Ibéria, na Récia, na Itália, na Dalmácia e na Dácia: eram os romances. Um romance é uma língua medieval resultante da evolução do latim numa antiga província do Império Romano.
A autonomização de um romance galego-português a partir do séc. VII na antiga província Gallaecia et Asturica (Galiza, norte de Portugal, ocidente de Astúrias) é denunciada por dois fenómenos de mudança fonética que afetam o seu léxico.


1º fenómeno: palatalização dos grupos iniciais latinos pl-, kl-, fl- na africada palatal surda

Latim: plicare, clamare, flagrare

Galego-português: tšegar, tšamar, tšeirar

Forma portuguesa contemporânea: chegar, chamar, cheirar

Esta evolução ocorreu no noroeste da Península durante os séculos de permanência dos invasores germânicos, suevos (411-585) e visigodos (585-711).

2º fenómeno: lenição das soantes intervocálicas latinas -n- e -l-

Latim: manu, mala

Galego-português: mão-o, maa

Forma portuguesa contemporânea: mão, má

Este segundo fenómeno terá ocorrido durante a permanência árabe, logo no seu início. Ele aparece pela primeira vez atestado no séc. IX (para -n- > Ø: elemosia) e no séc. X (para -l-> Ø: Froia) e admite-se que tenha sido posterior a pl-, kl-, fl- > por se encontrar menos difundido no território português.

Quando se iniciou a Reconquista cristã, promovida no ocidente peninsular pela monarquia asturiana a partir do séc. IX, já se falaria no canto noroeste da Península Ibérica o romance galego-português.

(http://www.instituto-camoes.pt/cvc/hlp/brevesum/origens.html)


3. O Galego Português



No século XI, com o início da reconquista cristã da Península Ibérica, o galego-português consolida-se como língua falada e escrita da Lusitânia. Os árabes são expulsos para o sul da península, onde surgem os dialetos moçárabes, a partir do contacto do árabe com o latim. Em galego-português são escritos os primeiros documentos oficiais e textos literários não latinos da região, como os cancioneiros (coletâneas de poemas medievais):

  • Cancioneiro da Ajuda - Copiado (na época ainda não havia imprensa) em Portugal em fins do século XIII ou princípios do século XIV. Encontra-se na Biblioteca da Ajuda, em Lisboa. Das suas 310 cantigas, quase todas são de amor.
  • Cancioneiro da Vaticana - Trata-se do códice 4.803 da biblioteca Vaticana, copiado na Itália em fins do século XV ou princípios do século XVI. Entre as suas 1.205 cantigas, há composições de todos os géneros.
  • Cancioneiro Colocci-Brancutti - Copiado na Itália em fins do século XV ou princípios do século XVI. Descoberto em 1878 na biblioteca do conde Paulo Brancutti do Cagli, em Ancona, foi adquirido pela Biblioteca Nacional de Lisboa, onde se encontra desde 1924. Entre as suas 1.664 cantigas, há composições de todos os géneros.
À medida em que os cristãos avançam para o sul, os dialetos do norte interagem com os dialetos moçárabes do sul, começando o processo de diferenciação do português em relação ao galego-português. A separação entre o galego e o português se iniciará com a independência de Portugal (1185) e se consolidará com a expulsão dos mouros em 1249 e com a derrota em 1385 dos castelhanos que tentaram anexar o país. No século XIV surge a prosa literária em português, com a Crónica Geral de Espanha (1344) e o Livro de Linhagens, de dom Pedro, conde de Barcelona.
(http://www.di.ufpe.br/~rac2/portugues/tipos.html)

4. O Português, antes e depois de Luís de Camões



A língua portuguesa tem 800 anos. Sua História remonta ao século XII, quando dom Dinis fundou a Universidade de Coimbra, promovendo o desenvolvimento cultural de Portugal. " Esse rei-trovador ordenou que fosse usada a língua portuguesa nos documentos públicos, substituindo a língua oficial latina", escreve Elis de Almeida Cardoso. Só no século XIV, no entanto, o português se tornaria a língua de Lisboa. Nessa época, o galego (que tem semelhança com o português e é falado na Galiza, região da Espanha ao norte de Portugal) começa a ser visto pelos portugueses como língua arcaica. É nesse eixo Coimbra -Lisboa que o português moderno vai se constituir. A divisão da língua portuguesa entre arcaica e moderna se dá em 1572, com a publicação de Os Lusíadas, de Luís Camões.

Fonte : A Língua que falamos, de Susana Herculano - Houzel; págs. 75 a 89
Publicado na Revista Entre Livros www.revistaentrelivros.com.br Ano I Nº 8

Galego e Português: A mesma raíz histórica.


O galego e o português pertencem a um mesmo sistema linguístico originário da Galiza, contando durante séculos com uma norma escrita comum, elaborada na Corte e nas escolas eclesiásticas a partir dos sécu-los  
XII e XIII, usada na expressão literária e, também, nos registos de documentos e na administração tanto na Galiza como em Portugal desde que entre os séculos XIII e XIV o romance substituiu o latim. Pode-se ocultar, mas não desconhecer, que o galego foi a língua política e da cul-tura em todos os reinos centro-ocidentais da Península, com Santiago de Compostela como cidade culturalmente hegemónica, e que até finais do século XV ou princípios do século XVI, o galaico-português teve um uso praticamente oficial no território actual da Galiza, como o tinha em  
Portugal.  
Depois, contra o que pretende a ideologia espanhola, o uso do galego como tal língua nunca esmoreceu. Erradicado das instituições galegas, per-maneceu como língua nacional, política, administrativa, económica, lite-rária, religiosa na constituição e no desenvolvimento do Estado português ao serem integradas a Igreja e a nobreza no poder monárquico dos Reis Católicos e dos Habsburgo, o galego foi negado pelas instituições, mas manteve-se firmemente como língua falada. Naturalmente, desde a consolidação da fronteira estatal, a língua comum sofreu mudanças diferenciadoras, principalmente fonéticas.  
Ainda assim, as mudanças mais salientáveis entre as que poderiam dife-renciar o português do galego não abrangem hoje nem a totalidade do território de Portugal, nem todos os estratos sociais, nem desde logo per-tencem integramente à língua de Brasil, Angola, Moçambique ou Timor Leste.

Fonte:
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2003/08/260929.shtml
Autor: Camilo Nogueira (Deputado no Parlamento de Galiza (1981-1993, 1997-1999) e no Parlamento Europeu (1999-2004)).